Quando as palavras não cabem no papel


         Estou trabalhando na minha próxima fanfic, e confesso que estou impressionada comigo mesma e com a história. Eu vejo tudo tão claro em minha mente, os personagens, os cenários, os figurinos, tudo. É mais ou menos como se eu estivesse dirigindo um filme, e quando começo a escrever é difícil parar porque estou cheia de ideias para cada pequena “cena” ou “parte” do capítulo. Em uma parte em que Lucy (esse é o nome de uma das protagonistas da história) está tomando café ou arrumando o quarto, eu consigo estender algo que deveria durar pouco menos que cinco ou seis linhas. É incrível! Não sei se é porque estou lendo demais e ficando detalhista, ou se é porque me empolguei um pouco, mas estou adorando. Claro que não quero enrolar os leitores e deixar as partes sombrias para o final, mas não vou me apressar em mostrar tudo de uma vez em Amor Eterno (esse é o título da minha nova fanfic de Amor Doce). A história seguirá seu curso normal, sem pressa. Mas cada capítulo será uma oportunidade para vocês, leitoras, conhecerem um pouco mais os personagens e simpatizarem ou não por eles.
          Dessa vez, eu decidi aproveitar mais os personagens originais do jogo, como Iris e Violette. Inclusive, Violette é uma das personagens principais, com direito a namorado e tudo. Sim, eu fiquei com remorso por tê-la tratado tão mal em Elo. Pera, disse “eu”? Não. O que quis dizer foi Lysandre, aquele mal… 



             Ah, por falar em Lysandre, dessa vez, ele vai ser bonzinho – para você que pediu, eu atendi —, e um pouco menos concorrido, eu acho. Bem, pelo menos nessa Fic, ele não será um cara popular e cobiçado por todas as minas. Acho que esse papel vai ficar para Nathaniel e Dake. Não que os dois sejam maus. Talvez, só um deles. Mas isso, vocês descobrem depois.
Castiel e Iris serão irmãos (e na Fic que virá depois dessa, eles serão primos, porque sim), mas não terão uma boa relação. Castiel será o ruivo rebelde/mártir/delícia de sempre, e vai por mim, vai fazer muita gente chorar (aproveita, porque na próxima, o Castiel vai ser a encarnação do demônio, literalmente falando).



Para quem morre de amores (eu) pelos gêmeos Alexy e Armin, prometo “cenas” engraçadas, sombrias e quentes (ui!).
           Rosalya não podia faltar e Ambre e suas seguidoras (leia-se “escravas”) também não poderiam faltar. Dimitry novamente será professor, mas mais jovem e sexy, podem apostar.
Ok. Agora que já falei um pouquinho dos personagens, vou falar da história. Amor Eterno, na verdade, é uma história bem antiga que eu escrevia quando tinha uns treze ou quatorze anos mais ou menos. Inicialmente, era inspirada no vampiro Lestat de Entrevista Com O Vampiro de Anne Ricce, e contava a história de uma adolescente chamada Danica, que se apaixonava por seu professor de história, que era um escritor milionário, que só dava aulas para ficar perto dos humanos, porque ele era um vampiro muito solitário. Aos poucos, eles foram se aproximando e Danica descobriu que ele era um vampiro, o mesmo que sempre a perseguia em seus sonhos, com uma capa negra, mas ela nunca conseguia ver seu rosto. Era uma história legal, com um final trágico, e eu postaria a original como fanfic (tinha seis páginas se não me engano) se não tivesse destruído (eu era perfeccionista demais e sempre queimava minhas histórias quando achava que elas não estavam boas o suficiente) meu caderno. Agora, Amor Eterno, ganhou novos personagens e temas extras. Praticamente, o que eu fiz foi juntar mais dois temas que eu tinha em mente (um gêmeo que substitui seu irmão gay e se apaixona por uma garota, mas não pode declarar seu amor por ela para não estragar seu disfarce; e uma garota que se muda para uma casa assombrada e tem um lance especial com um fantasma) com minha ideia original e formar uma coisa só, tanto para não ficar num drama só, como para agradar mais gente. Talvez, uma história com gêmeos trocando de lugar não te agrade mais (lembra daqueles filmes da Lindsay Lohan e Mary Kate e Ashley Olsen?), mas e que tal um romance entre um vampiro e uma humana, ou um fantasma e uma bruxa? Pode parecer clichê quando há tantos livros, filmes e séries abordando o mesmo assunto, mas faz tempo que eu quero escrever sobre isso, acho que desde sempre. E, também, minha fanfic não deverá ser comparada com uma de The Vampire Diaries ou uma de Fallen ou Crepúsculo, porque essas, nem de longe são minhas fontes de inspiração. Pode ter alguns pontos em comum, mas não serão semelhantes, isso eu afirmo.



         Eu pretendia escrever essa fanfic com minha amiga, Vicky, que ficaria encarregada de escrever as partes da Lucy (que certamente teria outro nome), mas eu sou uma péssima líder e administrei muito mal nossa parceria, por isso, não deu muito certo. Decidi postar sozinha mesmo, mas depois, mais adiante, se a Vicky topar, a gente faz uma nova versão com um final diferente. Seria interessante e cool também. De qualquer forma, eu dedico essa fanfic a você, Vitória, em nome de nossa amizade. Não é porque não postamos juntas que essa não seja a NOSSA Fic. Essa história é para você. Eu fiz a Lucy pensando em você. É claro que a Lucy Hale não é tão fofa quanto você e nem é minha amiga, mas acho que ela representa bem você. Também sei que talvez a personagem não seja perfeita, mas é para você amiga, de coração. Eu espero que goste!
          De última hora, eu percebi que faltavam personagens para formarem par com Lysandre, Nathaniel e Dake, e precisei de fichas urgentes. Ananda e Lily Melville me salvaram. Ufa! Agora, Nath e Lys já tem par, Thalita Whitmore (criada por Ananda) e Mary Elle (criada por Lily) são respectivamente as sortudas que conquistarão os coraçõezinhos dos nossos fofos (ou talvez nem tanto) Nath e Lys. O que elas não sabem é que suas personagens vão enfrentar muitas coisas ruins que vem pela frente…
                Tem duas coisas que vem me incomodando muito, ultimamente, o Racismo e o Bullying (e não pense que é porque tô assistindo demais o Fantástico, porque eu nem vejo esse programa, quem vê é a minha mãe, enquanto, eu ouço música) e, mesmo sendo muito difícil falar disso numa fanfic, eu decidi falar sim, porque é algo que acontece e não consigo ignorar. É revoltante e vergonhoso. Com duas personagens principais negras (Thalita e Kim), eu vou poder trabalhar nisso. O bullying também não será fácil para mim, porque eu sofri com esse mal quando criança na escola, e foi horrível. Mas não se preocupem, os maus serão punidos, ao menos, no nosso mundinho cor-de-rosa fictício.
              Leiam essa fanfic com a certeza de que, no fim, de uma forma ou de outra, tudo vai acabar bem, com um clichê que todos amamos: “E viveram felizes para sempre”.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

© Template Grátis por Cantinho do Blog. Quer um Exclusivo?Clique aqui e Encomende! - 2014. Todos os direitos reservados.Imagens Crédito: Valfré